18 de dezembro de 2016




Senhor Presidente da Junta:
DESFAÇATEZ é coisa que não lhe falta!...

Aí sim, o senhor é um campeão!... E não estou a definir a pessoa mas, sim, as suas atitudes, a sua forma de atuação. Já agora dois significados desta palavra: descaramento, cinismo.

Vejamos, então, a “verdade” das suas afirmações.

Nunca pusemos em dúvida a desocupação da Sede que a Associação para Defesa dos Interesses da Gafanha-ADIG tinha no Mercado, tendo respondido, a 14-10-2016: Cumpre-nos afirmar que teremos completamente disponível, em 15 de Novembro, o espaço cedido pela Junta, à ADIG, para que sejam executadas as obras para instalação dos talhos. E como é nosso lema, ficamos contentes por serem melhoradas as condições do nosso Mercado”.

Quanto ao arrazoado de V. Ex.cia, referente à sala do 1.ºA, não reclamámos nada, apenas solicitámos que “nos fosse cedido um pequeno espaço, no armazém, na zona poente do 1ºA, apenas para guardar os móveis da Sede.” Trata-se de zona de arrumos, quase desocupada, apenas com algumas cadeiras e pouco mais. E nós pretendíamos um espaço inferior a 2 m quadrados!

Quanto ao diálogo com a nossa Associação… Solicitámos uma audiência em 07-06-2016. Recorda-se de quanto tempo tinha passado desde a nossa reunião para tratar de problemas da Gafanha? 8 meses… e V. Ex.cia recusou. (mais pormenores no Link: http://adig-blog.blogspot.pt/2016/06/quem-tem-medo-da-adig.html)

Novo pedido passados mais 5 meses e o Presidente aceitou… Mas não apareceu, delegou no Secretário! É verdade que nos foi referido pelo interlocutor que se encontrava doente. Não pomos em causa esse facto, e é uma razão ponderosa, mas bastava um simples E’mail a comunicar que a reunião era adiada. Já o tinha feito em outras ocasiões (em 25-09-2015 e em 04-11-2016). Aceitámos sempre as explicações e as reuniões foram remarcadas.

Portanto durante 1 ano e 1 mês sempre fugiu ao diálogo direto com uma Associação que só pretende ajudar a Autarquia a melhorar as condições dos habitantes da Gafanha da Nazaré!...

Quanto à possibilidade de podermos guardar os pertences da ADIG no Edifício Caracas, foi uma forma ardilosa de nos atirar para longe do Mercado. Com efeito, já que tínhamos o trabalho de transportá-los numa viatura, aceitámos a oferta dum membro dos Órgãos Sociais da Associação que disponibilizou uma sala, que nos serve de Sede e onde alojámos os móveis.

E a verdade é que a Junta não deu qualquer indício de querer disponibilizar à ADIG, mais tarde, depois dos talhos passarem para o r/chão, uma divisão no 1.ºA.

Respondeu a esse nosso pedido, a 14-11-2016, da seguinte forma: Após a requalificação do mercado no que aos talhos diz respeito, com a passagem destes do piso de cima para baixo, não se perspetiva a curto prazo uma nova entrega daqueles espaços a Associações. Processo concluído, levará a uma hasta pública para colocação das lojas a entidades que as pretendam explorar, depois de definidos os pressupostos dessa exploração pela Camara Municipal de Ílhavo e Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré.”

A ADIG é uma associação da Gafanha da Nazaré, que não nasceu ontem, tem 23 anos de idade. Portanto, só nos restava esta resposta ao Senhor Presidente da Junta:

“Desejamos sucesso para a hasta pública desses espaços, no 1ºA, ocupados atualmente pelos talhos, mas continuamos a pensar que uma associação da nossa Terra, que tem por lema “A Defesa dos Interesses da Gafanha”, tem direito a um espaço, que fique livre, dispensado pela Autarquia.”

E CONTINUAREMOS À ESPERA, CERTOS DE QUE A AUTARQUIA, MAIS TARDE OU MAIS CEDO, NOS FARÁ JUSTIÇA.

A ADIG

17 de dezembro de 2016


SE O CRUZAMENTO DA 
ALAMEDA PRIOR SARDO – RUA GAGO COUTINHO

tivesse Sinalização Horizontal… 

ficaria com esta visibilidade…






MAIS UM ACIDENTE NO CRUZAMENTO ALAMEDA PRIOR SARDO – RUA GAGO COUTINHO,  

em 10 Dezembro 2016, às 15H25.

O OUTRO FOI HÁ 5 DIAS, em 5 Dezembro, pelas 14H00

Senhores Presidentes da Junta e Câmara: "Continuem a assobiar pr'ó lado", até haver casos graves... 

Desta vez foram apenas latas, mas dá sempre aborrecimento e gastos... Este cruzamento continua a ser perigosíssimo e os responsáveis pelas vias municipais nada fazem.

É verdade que há naquele cruzamento um stop. É verdade que os condutores têm de ter mais cuidado, têm de andar atentos.

No entanto também temos de pensar duas vezes no caso dos acidentes se repetirem, frequentemente, num dado local, nos designados “pontos negros”.

E os cruzamentos, dentro das povoações, com edifícios sobre a berma, nos ângulos de encontro das vias, são os locais mais traiçoeiros, principalmente para os visitantes.

É por isso que aparecem os semáforos, os stops de velocidade controlada, etc. Mas compreendemos que a despesa com estes equipamentos é elevada e não podem andar a ser semeados por todo o lado.

Por isso há formas mais baratas de solucionar ou minimizar o problema: As lombas, a sinalização horizontal pintada nas vias, como as Linhas de estímulo à redução de velocidade, que alguns também designam como “polícias deitados”, etc.

São formas baratas de resolver os problemas; basta ter consciência dos gastos na reparação de viaturas, em gastos hospitalares, sem falar no valor da vida humana.

HRocha


5 de Dezembro de 2016, 14 horas – Mais um acidente no cruzamento da Alameda Prior Sardo com a Rua Gago Coutinho.

Não podemos ficar indiferentes, nem sossegados!...

Por isso enviámos um E’mail ao Presidente da Câmara e ao Presidente da Junta, denunciando esse facto, do seguinte teor:

“Serve o presente para comunicar que, hoje, dia 5 de Dezembro de 2016, pelas 14H00, deu-se mais um acidente, no cruzamento da Rua Gago Coutinho com a Alameda Prior Sardo.

Uma viatura que circulava na Rua Gago Coutinho, direção Poente--Nascente foi embatida naquele cruzamento por outra viatura, vinda do Ciclo, que seguiu em frente, sem se dar conta que atravessava outra via. A condutora da 1.a viatura foi enviada para o Hospital de Aveiro.

Já enviamos outras queixas, por E’mail e uma delas, pelo correio, com aviso de receção, em nome de Humberto Vieira, que não teve qualquer efeito ou resposta. Apresentávamos uma possível solução para este cruzamento, que pode ser aceite ou estudada outra que solucione este grave problema.

Mais uma vez solicitamos que sejam resolvidos os problemas deste cruzamento.

Com os melhores cumprimentos

Pel’A ADIG
Humberto Rocha”

O problema, como se pode verificar pela foto, é que os condutores, principalmente os visitantes, têm a visão de que a Alameda Prior Sardo continua, sem a interrupção de outra rua, neste caso a Gago Coutinho.

Bem sabemos que está lá um sinal de Stop mas, dado o elevado n.º de acidentes, é evidente que passa despercebido face à visão de continuidade da via.

Senhores Presidentes: Acolham as advertências das pessoas e Associações da Gafanha e revejam ou melhorem a sinalização, quanto mais não seja com a pintura, com tinta rugosa, de faixas horizontais na via, que alertem os condutores para a aproximação dum cruzamento perigoso.

Humberto Rocha

1 de dezembro de 2016




DESRESPEITO É SINAL DE FRAQUEZA, DE MEDO, DE ARROGÂNCIA


Já na Grécia antiga se pensava assim e, também, que “A arrogância é o maior vício do poder”.

Tantas nos fazem que é obrigatório, a certa altura, sacudirmos a “água do capote”, para não corrermos o risco de ouvirmos dizer que “quem não se sente, não é filho de boa gente”!...

Vem tudo a propósito da atuação do Presidente da Junta de Freguesia que, sistematicamente, tem desrespeitado uma Associação da Freguesia, a ADIG, por acaso aquela que tem por lema “A Defesa dos Interesses da Gafanha.”

Nunca aceitou os avisos dos problemas criados pela poluição pelo Petcoke e outros produtos, chegando a negá-los. E a razão estava do nosso lado. E a prova-lo aí estão as obras feitas no Porto Comercial.

Quanto às Placas de limite da Freguesia, a Câmara e a Junta foram protelando a sua colocação, embora referissem que já estavam prontas nos Armazéns. E ainda faltam as principais, a colocar no limite Ílhavo–Gafanha, Barra-Costa Nova e Aveiro-Gafanha. A que se encontra neste ponto não está na posição correta e não passa duma placa de publicidade ao banco BPA, publicidade essa que foi apagada com tinta branca.

Os alertas sobre sinalização das vias, feitos, primeiramente, por carta registada e E’mails não tiveram qualquer efeito e, pior, malcriadamente, nem resposta, restando-nos a denúncia pelas Redes Sociais.

E quanta arrogância e prepotência demonstrada na recusa em reunir com a ADIG!...

E para culminar, tivemos de desocupar a Sede no Mercado. Não é o problema de sair daquela sede, pois isso era evidente, devido às obras que vão ser executadas para instalação dos talhos no rés-do-chão, mas por nos negarem um pequeno espaço nos arrumos da zona poente do 1ºA, para acomodarmos os móveis, até decisão posterior. E pior, quando levantámos a questão de nos ser cedido um gabinete no 1ºA, quando as obras ficarem prontas (e esses espaços libertos), com a prepotência habitual, foi-nos negada tal possibilidade.

Acrescentamos que a ADIG foi a única Associação, sem sede própria, que teve de sair do Mercado, pois a outra foi, antecipadamente, e muito acertadamente, alojada no 1ºA.

Mais uma vez o Presidente da Junta desrespeitou a ADIG, arrogantemente, evidenciando o medo que tem duma Associação que apenas quer lutar pela Gafanha e pelo bem-estar dos Gafanhões.

Resolvemos, entre nós, o problema da Sede, mas continuamos a pensar que uma Associação da Freguesia, com 23 anos de idade(!), que tem demonstrado que “Defende os Interesses da Gafanha”, tem direito a um espaço digno, disponibilizado pela Autarquia.

E, por isso, ficamos a aguardar, quando as obras do Mercado estiverem prontas, que este ou outro Executivo da Junta, veja a ADIG como um parceiro que sempre quis colaborar na solução dos problemas e lhe seja facultado um gabinete para Sede.

A ADIG FORTALECE-SE COM AS DIFICULDADES!... A ADIG CONTINUARÁ FIRME, IGNORANDO TODOS OS ARROGANTES, ENQUANTO A GAFANHA PRECISAR DE QUEM A DEFENDA DELES.

ADIG – Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha

3 de novembro de 2016







QUANTAS MORTES SÃO PRECISAS,
Srs PRESIDENTES da CÂMARA E da JUNTA?

Quantas pessoas têm de morrer para que a Câmara e a Junta comecem a olhar, com olhos de ver, para a sinalização das ruas da Gafanha da Nazaré?
Nunca houve tantos acidentes, como agora, após a nova sinalização. E não são os sinais que têm culpa, mas sim os “inteligentes” que pariram a sua colocação.
Ontem dia 18 de Outubro e no dia anterior, 2 acidentes no mesmo local: Entroncamento da Rua Pedro Nunes com a Rua paralela à A25! E já se perdeu a conta do nº de acidentes!...
Esta Rua com 1 km de extensão, é, nesse entroncamento, interrompida com um Stop, enquando a Rua Pedro Nunes, que acabou de cruzar com a Rua Dr. João das Regras, tem prioridade para virar!...
E para complicar, quem transita na tal Rua paralela à A25, só visualiza, junto à via, um muro branco e uma sebe de arbustos. É verdade que há lá um stop. Mas o condutor vê uma estrada longa, contínua e, como provam os inúmeros acidentes (verificar na foto os destroços de carros que existem na berma), não imagina que alguém tenha a ideia de colocar aquele sinal a meio do percurso.
E o problema é que os designados "Pontos negros" da estrada, são uma evidência, não se discutem, resolvem-se. Só para dar uma ideia mais precisa das dificuldades dos condutores, principalmente para os visitantes, deixo 2 fotos da Rua paralela à A25, vista de nascente e de poente.
Há que mudar o sinal de stop para a Rua Pedro Nunes!...
Senhores Presidentes da Câmara e da Junta: para que não se multipliquem os acidentes, mandem corrigir esta aberração.
Pel’A ADIG 
Humberto Rocha


GAFANHA – PORTO 0-3

O Porto ganhou, naturalmente, ao Gafanha por 3-0. Ganhou o favorito.
O sonho esfumou-se!... Mas o resultado não desonra a nossa Equipa.

E temos de lembrar que aos 68 minutos, o Porto apenas vencia por 1-0.

Os jogadores do G.D. da Gafanha portaram-se galhardamente e só merecem os aplausos dos Gafanhenses. Para a Direcção, para a Equipa Técnica, para os Atletas e para os adeptos vão as nossas palmas, de pé.

A ADIG esteve presente com uma faixa de apoio e sentiu-se orgulhosa da Equipa.

Parabéns ao vencedor, glória ao vencido.

VIV’Ó GAFANHA!...
HRocha

20 de outubro de 2016



GRUPO DESPORTIVO DA GAFANHA X FUTEBOL CLUBE DO PORTO

Para ver o filme click aqui em https://www.youtube.com/watch?v=lNCFiOEhIvw

O GRUPO DESPORTIVO DA GAFANHA vai defrontar o F. C. do PORTO, para a Taça de Portugal, no dia 15 de Outubro de 2016, no Estádio Municipal de Aveiro.
O Porto é, evidentemente, o favorito, mas a esperança é a última a morrer!... E até ao "lavar dos cestos é vindima"... Só no final do jogo se fazem as contas!
E não seria inédito, pois há 45 anos, na época 1971/72, o G. D. da Gafanha ganhou ao Porto, em Júniores, por 1-0.
E o entusiasmo dos Atletas, Dirigentes e Adeptos está bem patente no filme do Jantar de apoio à Equipa, no dia 8 de Outubro, na Cave.
E se o entusiasmo dos adeptos conta para o desafio, o GAFANHA JÁ GANHOU...
SONHAR AINDA NÃO É PROIBIDO!...

HRocha



8 de outubro de 2016

         ROMAGEM À SENHORA DE VAGOS 2016
                        FADOS DE COIMBRA

Para ver o filme click aqui em --> https://youtu.be/UqLxYcTDZ58








A ADIG -Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha- organizou, mais uma vez, a Romagem à Nossa Senhora de Vagos, no dia 5 de Outubro de 2016.

É um passeio ciclista, acompanhado de boa disposição e camaradagem, embora alguns vão de carro ou de mota. O que interessa é estar presente!...

Este gesto, Romagem à Senhora de Vagos, é o preito de homenagem dos habitantes da Península da Gafanha à Senhora de Vagos e às gentes desta Terra, que em tempos remotos, desde cerca de 1640, povoaram estas paragens à beira da Ria e do Atlântico.

A maioria das famílias que deram vida às nossas Gafanhas são oriundas de Vagos e começaram a povoar estes estéreis areais no séc XVII. Aqui chegaram para a apanha do junco à gadanha (gadanhar o junco ou, no seu linguarejar, "gafanhar" o junco). E o grito, à prôa da bateira, ouvia-se longe: "vamos à "gafanha do junco"! E tantas vezes o repetiram que bastava dizer: "Vamos à Gafanha"; agora com letra grande porque se transformou na Terra da Promissão…

Freguesia há pouco mais de 100 anos (1910), Vila há 47 (1969) e Cidade há 15 (2001)!... 100 anos para transformar uma Terra quase desconhecida numa Cidade!...

Abençoadas gentes que souberam fazer da Gafanha, a Terra que é hoje...

Na Capelinha de Vagos actuou o Grupo de Fados de Coimbra "Portas d'Água", que homenageou a Senhora com o extraordinário fado “Nossa Senhora de Vagos” e outros. Cantou e encantou.

Também tivemos a colaboração da Tuna da Universidade Senior da Gafanha da Nazaré, com os seus cânticos. Vale a pena assistir!...

O São Pedro colaborou connosco, pois esteve um dia extraordinário.

Lá estaremos para o ano!...

Humberto Rocha

27 de setembro de 2016

               É HORA DE ESPUMANTE E FOGUETES!...

PETCOKE – A Barreira Eólica está pronta…





Foi uma caminhada longa, mas proveitosa, batalhando contra ventos e marés, contra alguns que não queriam, contra os indiferentes e contra os cépticos.

Sempre acreditámos que os nossos parceiros de jornada, A Cimpor e a actual Administração do Porto de Aveiro, iam cumprir o prometido.

Aí está erguida, no Porto Comercial, a Barreira Eólica contra ventos dominantes de Norte e Noroeste.

Esta obra, associada às melhorias já introduzidas na movimentação do Petcoke (canhão de água pulverizada, cuidado no manuseamento das gruas, mais rápido escoamento do produto, camions cobertos, etc) vai permitir que as populações e principalmente os nossos filhos e netos herdem uma Gafanha mais limpa, um ar mais puro. E quando falamos na Gafanha da Nazaré, não esquecemos as populações das outras Gafanhas a Sul, Ílhavo e Aveiro.

E não cansamos de repetir:

“A ADIG esforçou-se para conseguir este desiderato e está reconhecida a todos aqueles que a acompanharam e apoiaram. Sem a sua ajuda e, principalmente, sem o seu incentivo, seria mais difícil alimentar o entusiasmo que sempre nos norteou.

Aos mais cépticos, àqueles que duvidaram de conseguirmos alcançar os objectivos, compreendemo-los, tantas têm sido as lutas perdidas ao longo dos tempos, mas só podemos reiterar-lhes o nosso agradecimento, pois a sua atitude só mais acirrou a nossa teimosia, na defesa dos direitos das populações.
Para os Poderes Públicos só uma simples e curta frase: Ficou provado que tínhamos razão…”
Somos gratos aos Administradores da Cimpor e à actual Administração do Porto de Aveiro.
Bem sabemos que os críticos e os cépticos vão dizer que estas empresas só cumpriram o seu dever (e que já o deviam ter feito há mais tempo…), mas nós, não podemos deixar de perguntar: E quantos têm obrigações a cumprir e, simplesmente, as esquecem ou ignoram?
A ADIG ficou satisfeita e sabemos que os habitantes da Gafanha também ficaram…
É esse o nosso lema: Defesa dos Interesses (dos direitos) da Gafanha.
Gafanha, 23 Set 2016

Humberto Rocha

18 de agosto de 2016

MARINA DA GAFANHA DA NAZARÉ
           
A ENTRADA DA ASSOCIAÇÃO NÁUTICA DA GAFANHA DA NAZARÉ FOI DRAGADA


A Draga Garrano esteve a fazer o trabalho de limpeza do assoreamento da entrada da Marina, tendo começado a 22 Julho 2016.





A Administração do Porto de Aveiro, deu cumprimento à promessa feita à ADIG - Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha - na reunião de 27 de Maio de 2016, disponibilizando aquela draga, para permitir aos barcos sair e entrar com mais facilidade.

Criticamos quando algo está mal mas, também, sabemos e devemos agradecer quando as Entidades cumprem.

Assim, em nome da ADIG, dos Pescadores artesanais, dos Desportistas Náuticos e da Associação Náutica da Gafanha da Nazaré louvamos a ajuda que nos foi prestada pela APA.


Humberto Rocha

23 de julho de 2016




A ADIG não rege o seu patriotismo pelos padrões de alguns autarcas do nosso Município.

Não se apodera nem destrói as faixas de saudação aos nossos atletas… Cria novas faixas!…

E aí está outra tarja de felicitação às nossas Selecções de Futebol e Hóquei, justas campeãs da Europa.

Vivam os Campeões Europeus de Futebol e de Hóquei em Patins.


ADIG

13 de julho de 2016



A GAFANHA JÁ TEM LIMITES!

MAS A CÂMARA RETIROU A PLACA E APODEROU-SE DA FAIXA!...

A ADIG, esta manhã, dia 9 de Julho, pelas 10H00, colocou uma Placa de Limite da Gafanha da Nazaré, na Rua D. Manuel Trindade Salgueiro, no exacto local onde o Diário da República impõe a delimitação.

Até que enfim a Gafanha da Nazaré deixou de ser “Terra de Ninguém”!...

Também aproveitámos para colocar uma faixa com uma mensagem de saudação à nossa Selecção de Futebol, que amanhã disputa a final do Euro2016.

Pois pelas 6 horas da tarde a Câmara chegou e arrancou a placa…  mas pior tirou e levou a faixa patriótica, propriedade da ADIG.

Senhor Presidente da Câmara, nós entendemos que tenha levado a placa, pois compreendemos que vá servir de modelo, visto que após mais de um ano de estudos, que se veja, ainda não há decisão sobre o formato. Pois aí o tem e a ADIG não vai exigir direitos de autor.

A ADIG até se oferece, graciosamente, para fazer uma parceria com a Câmara para colocar as Placas dos Limites. Repetimos, graciosamente.

Quanto à faixa só compreendemos que a retirassem por falta de patriotismo, por complexo de inferioridade, que nós, verdadeiros Gafanhões e verdadeiros Portugueses rejeitamos.

VIVA A GAFANHA E VIVA A NOSSA SELECÇÃO DE FUTEBOL!...

Humberto Rocha

12 de julho de 2016





QUEM ESTÁ A MATAR A RIA?

Hoje, sexta-feira, de manhã, dia 8 de julho2016, saía do Canal emanilhado do Esteiro Oudinot, junto à Marina da Gafanha da Nazaré, esta matéria de cor leitosa, com uma espuma acastanhada a boiar, de que temos fotos e filme comprovativos.

Esta poluição só pode ser produzida por uma das empresas que se localizam para poente desta saída e será uma tarefa a que a ADIG irá lançar “mãos à obra”, até descobrir qual delas está a destruir a nossa Ria.

E podem estar convictos que não pararemos até o conseguir.

ADIG  

28 de junho de 2016

QUEM TEM MEDO DA ADIG?



                          QUEM TEM MEDO DA ADIG?


Ninguém… porque a Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha é pacífica e só pretende ajudar a resolver os problemas da nossa Terra.

Mas aqueles que têm desrespeitado e não defendem a Gafanha da Nazaré e as suas populações, dão mostras de estar inquietos.

A ADIG tem pugnado por levar às Entidades os problemas que afligem a nossa Terra, na intenção de, através do diálogo, poder dar um contributo eficaz à resolução dos problemas.

Mas os “nossos” autarcas fogem a “sete pés” desses encontros… não vão “os papões” mostrar-lhes a inoperância da sua actuação.

Tanto o Presidente da Câmara (a 20-06-2016), como o da Junta de Freguesia (a 7-06-2016) recusaram os pedidos de audiência, neste caso com a desculpa de que “Não vemos necessidade de uma nova reunião, uma vez que todos os assuntos estão a ser tratados e sem alterações desde a última reunião”.

Repetimos sem alterações desde a última reunião, lembrando que a citada reunião já tinha sido há 8 meses!... 8 meses sem nada resolverem… e esperavam que os gafanhões ficassem de braços cruzados?!

A Câmara recebeu a ADIG para tratar dos problemas da Gafanha apenas uma vez, a 5 de Junho de 2015.

Entre Setembro2015 e 28 Janeiro2016 fizemos ou relembrámos 6 vezes os pedidos, tendo-nos sido solicitado a 2 Fevereiro o envio dum memorando com os assuntos a tratar, o que fizemos de imediato. Esse Memorando está no final deste artigo.

Como era expectável muitos dos assuntos foram os mesmos da anterior reunião, pois não tinham sido resolvidos e queríamos que a sua solução fosse acelerada.

A 5 Abril2016 foi marcada a reunião do Presidente da Câmara com a ADIG, para 8 Abril2016, pelas 15H00.

Nesse dia, quando às 15H00, 4 elementos da ADIG chegaram à Câmara, a reunião não se realizou por indisponibilidade do Presidente, que segundo a informação, teve assuntos mais urgentes a tratar. Compreendemos que surjam assuntos inadiáveis, mas a reunião estava marcada com o Presidente e ele só tinha a comunicar essa indisponibilidade e a agendar nova data. Ele já sabia, pelo menos desde as 11H00, senão antes, que não podia estar presente e não teve a hombridade de nos avisar. Agradecemos ao Vereador indigitado, mas a reunião estava agendada com o Presidente e pretendíamos ouvir as respostas do próprio.

Em 2-05-2016 novo pedido de audiência com resposta da Câmara, a 24-05-2016, a  protelar,  uma vez mais, essa reunião.

Novo pedido em 07/06/2016, e repetido a 09/06 com o texto: Solicitamos a marcação da data da audiência ou que haja a hombridade de nos informarem que não querem receber uma associação da Freguesia da Gafanha da Nazaré, a Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha”.

Finalmente a 20/06/2016 veio a resposta, recusando o pedido de audiência, passado um ano após a única reunião entre a Câmara e a ADIG.

Senhores Presidentes, Fernando Caçoilo e Carlos Rocha, é evidente que a ADIG não quer ser fonte de problemas mas sim agente das soluções, em benefício da nossa Terra e do nosso Município e continuará disponível para ser recebida pelos Executivos, sempre que estes agendem audiências com a nossa Associação.

Para terminar queremos lembrar-lhes que não são as populações que precisam dos políticos, mas sim os políticos que precisam do voto das pessoas.

E A GAFANHA E OS SEUS HABITANTES NÃO VÃO ESQUECER E PAGARÃO, COM JUROS, NA DEVIDA ALTURA, O DESRESPEITO E A FALTA DE INTERESSE DOS AUTARCAS NA DEFESA DOS SEUS DIREITOS.

27 Junho 2016

ADIG- Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha

                                  
                                MEMORANDO enviado à Câmara em 2-02-2016

Assuntos que a ADIG pretende tratar com a Câmara, a fim de podermos dar um contributo para a sua solução. Para os assuntos que não estão directamente sob a alçada da Câmara Municipal, a ADIG solicita o empenho do Senhor Presidente junto das Entidades competentes.
1. Colocação de placas nos Limites de Freguesia
2. Placas de toponímia a indicar locais ou edifícios importantes – Ex: Forte da Barra, Farol, Junta de Freguesia, GNR, Igreja Matriz e Capelas, etc
3. Bandas sonoras pintadas nos cruzamentos perigosos – Ex: Alameda Prior Sardo/Rua Gago Coutinho, Rua Prof. Maria Luz Carlos/ Rua Gago Coutinho, etc
4. Coeficiente do IMI
5. Maior equilíbrio do nº de espectáculos pelas Freguesias
6. Arranjo e ordenamento do terreno paralelo à Meia Laranja, onde se localizam os campos polivalentes
7. Construção de mais pontes pedonais sobre o Canal do Jardim do Oudinot
8. Ordenamento do trânsito na Gafanha. Qual a situação?
9. Parque de Campismo – já há definição como parque rural?
10. Pugnar, em parceria com a APA, pela preservação do Forte da Barra e do casario adjacente
11. Continuar a pugnar para que a A25 passe a ser designada como Auto-estrada Gafanha da Nazaré / Vilar Formoso, ou Barra/Vilar Formoso, pois inicia-se no Km Zero na Rotunda da Barra

10 de junho de 2016

PETCOKE - FRESQUINHAS E BOAS!... SÃO DE HOJE...



PETCOKE - FRESQUINHAS E BOAS!... SÃO DE HOJE…
          O Resultado da nossa luta e o apoio de muitos

Resolução da Assembleia da República n.º 106/2016

Recomenda ao Governo a implementação de medidas relativamente
ao coque de petróleo no Porto de Aveiro

A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do
artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo que:

1 — Garanta, em articulação com as entidades competentes,
a conclusão de medidas mitigadoras relativamente
às descargas de coque de petróleo no Porto de Aveiro,
nomeadamente:

a) A construção, no cais comercial, da barreira eólica
contra ventos dominantes;
b) A implementação da bacia de contenção de lixiviados
e da estação de tratamento;
c) A instalação permanente de uma estação de monitorização
da qualidade do ar;
d) A plantação de uma barreira arbórea protetora entre
o porto comercial e as habitações da Gafanha da Nazaré
e a instalação nesta localidade de uma estação de monitorização
da qualidade do ar na envolvente do Porto de
Aveiro.

2 — Monitorize e reavalie a situação ambiental e os
riscos para a saúde pública após a implementação destas
medidas mitigadoras.
3 — Elabore um manual de boas práticas para movimentação
e transporte de coque de petróleo no país.
4 — Reavalie a legislação relativa à atividade com coque
de petróleo e a sua fiscalização no sentido de garantir
a proteção das populações e as boas práticas ambientais.
5 — Solicite com urgência a conclusão do estudo encomendado
ao Instituto do Ambiente e Desenvolvimento (IDAD).

O Presidente da Assembleia da República, Eduardo
Ferro Rodrigues.

O obrigado aos que sempre estiveram ao nosso lado
Humberto Rocha